Login
Artigos Semanais
APRENDER COM A NATUREZA
26/08/2015

Encontrávamo-nos no escritório do V. M. Samael Aun Weor e, em uma das paredes, junto à biblioteca, estava colocado um quadro alusivo ao símbolo zodiacal de Gêmeos. O mestre apontando para o macaco cinocéfalo que se observava na parte inferior da pintura, perguntou: sabes o que simboliza este animal? Não - Respondi. Está representando a ação sábia a ser aprendida com a natureza.

Simples frase, mas de uma profundidade extraordinária, uma vez que são muito poucos os humanos que conseguem colocar em prática essa máxima.

Refletindo sobre o parágrafo anterior, compreendemos que a \"Biônica\" aplica, ao pé da le¬tra, aquele ensinamento que o Mestre me comunicara. Ao largo de sua história, o homem se serviu da natureza que o rodeia como uma fonte de inspiração, para conseguir suas notáveis invenções.

Atualmente, dentro da grande diversidade de temáticas nas quais se desenvolvem as in¬vestigações biônicas, se destacam cinco áreas principais: a neurobiologia, a modelação de sistemas analisadores, a navegação e orientação, a biomecânica e a bioenergética. Com relação à primeira, citamos os intentos de criar os análogos artificiais dos neurônios e de redes neuronais, com o fim de aumentar a segurança e rapidez da ação, assim como diminuir a massa, o tamanho do consumo de potência pelos sistemas eletrônicos, em relação aos sistemas analisadores e sensoriais. O estudo dos órgãos visuais tem permitido gerar modelos eletrônicos de olhos com capacidade para captar imagens, efetuar medições e transmitir in-formações.

Isso abre a possibilidade de se conseguir introduzir dados em um computador sem recorrer aos meios intermediários (pendrive, cd, dvd etc). A hélice, instrumento empregado nos aviões, é um exemplo interessante dos resultados obtidos na área da navega¬ção com a observação da natureza. Esse aparato trabalha segundo o princípio de uma semente do bordo, árvore nativa do norte dos Estados Unidos da América, que é capaz de ser levada pelo vento a longas distâncias, graças a um apêndice em formato de hélice que gira com o vento. Presta-se muita atenção ao estudo dos relógios \"biológicos\", de grande impor¬tância no complicado sistema de orientação e navegação dos animais. No campo da biomecâ¬nica se investigam as peculiaridades estruturais e funcionais do aparato locomotor de diver¬sos animais, inclusive do homem. Um exemplo de sua aplicação é a pele artificial do delfim, a qual duplica a velocidade dos veículos aquáticos, revestidos com ela. A resistência das teias de aranha também serve de inspiração para várias aplicações tecnológicas úteis.

Além desses campos de desenvolvimento, a união, nos últimos anos, da biôni¬ca com a arquitetura e a engenharia de construção tem produzido a denominada bio-arqui¬tetura: a cópia das formas arquitetônicas da natureza. Por essa razão, não podemos deixar passar o profundo ensinamento do V.M. Samael Aun Weor: \"TEMOS QUE APRENDER COM A NATUREZA\".

Quantas coisas o homem aprenderia se em vez de viver um estado aleatório e alheio, se convertesse em um grande observador da natureza interna e externa. Que bom seria se rompêssemos o reflexo condicionado de andar vendo as vitrinas e as cores sujas das ruas. Faz-se, pois, muito necessário, abrir a Visão Espacial, para receber a sabedoria necessária que nos dá a perfeita combinação das cores nas plantas, a agilidade do gato, o perfeito vôo das águias, o poder do trovão nas nuvens e o brilho do sol e dos raios, para conseguir, de uma vez e para sempre, a compreensão de que somos um com a NATUREZA e o COSMOS.

Trecho do Livro Além da Mente de Fernando Salazar Banõl

Data
Artigos
As páginas deste site são acompanhadas com músicas que elevam a consciência.