Login
Artigos Semanais
O Cristo Cósmico
26/02/2014

As forças criativas e criadoras da natureza, até o presente momento, não foram compreendidas pela ciência e a religião as transformou em pessoas.

Aprendemos que existe um Deus Criador e um Deus criatura, como Deus criador o Pai e como Deus criatura o filho que para a religião Católica é Jesus Cristo. Também com o concilio de Nicéia se estabelece o Deus Espírito Santo que confundiu a cabeça dos pensantes, menos a dos crentes. Agora temos três deuses e que se converteu em um só, gerando o mistério da Santíssima Trindade.

Se traduzíssemos para um linguajar mais científico, explicaríamos de que Existe uma Força energia de ignição na natureza e como tal ela é eletricamente positiva e naturalmente ativa. Por outro lado existe uma energia magnética, receptiva como um pólo negativo e que a junção das duas gera uma terceira força, agora eletro e magnética simultaneamente que como resultado é luz, existência, vida.

A Primeira força se deu o nome de Deus, Jesus a chamava de Pai, a segunda energia receptiva, gestadora e geradora de Espírito Santo, agora conhecida como Deus-Mãe. Como resultado desta junção ativa, passiva, eletricidade e magnetismo, geraram o que a igreja cristã chama de filho o Cristo. Se analisarmos com um raciocínio simples, veremos que o Cristo não é uma pessoa e sim a manifestação, resultado das duas forças anteriores, ou seja, a existência, a própria vida manifestada.

Em uma última análise se entende que nenhuma das três pessoas que o concilio de Nicéia atribui como Pai, Filho e Espírito Santo, existem. Em realidade são Energias não personalizadas e sim abstratas, embora concordamos que é Onisciente Onipresente e Onipotente caso contrário não existiria a vida manifestada, organizada e inteligente como vemos e somos parte dela.

Voltando ao assunto do Cristo Cósmico. Tudo aquilo que existe que tem manifestação e vida é Cristo o filho de Deus. Cristo não é uma pessoa como não o é as demais Forças, a diferença que existe entre o Cristo e as outras duas, é que o Cristo é o esforço, o resultado produzido pelas Forças Poder anteriores. Vejamos que Jesus fala de Deus o Pai como "Imanifestado e que ninguém nunca O viu" cuja potência criatriz, está e é plasmada no ritmo perene da criação.

Quando o Catolicismo diz que Deus só teve um filho, é verdade, Ele é o Cristo, a vida em toda sua manifestação. Jesus encarnou este Poder vida, por isso foi e é chamado de Cristo, mas Jesus mesmo disse que "tudo o que fizermos a nosso irmão é a Ele que fizemos", porque você, eu e nosso irmão e toda vida existente, é o Cristo o filho de Deus. Jesus como homem, morreu, mas como Cristo é eterno, toda vida manifestada é uma materialização do Cristo o filho de Deus.

Quando um filho encarna essa substância, como Jesus o fez, tem o domínio sobre toda a natureza e sobre a vida e a morte deixa de existir. Para dar testemunho disso, Jesus ressuscitou de entre os mortos e disse: "Eu vos disse que ressuscitaria, porque Eu Sou a vida".

Qualquer ser que venha a encarnar a substância Cristo se chamará Cristo o Filho de Deus, por ter logrado toda a potestade da vida é sem dúvida um Deus também e um representante do Imanifestado. Por tanto entre os Bispos do Ocidente e Oriente, pressionados por Constantino, Imperador Romano, cada qual tinha um pouco de razão, mas nenhum compreendeu a manifestação e a criação desse que chamamos de Deus, muito menos a ciência.

Enio Chiappetti

Data
Artigos
As páginas deste site são acompanhadas com músicas que elevam a consciência.