Login
Artigos Semanais
A Cura Por Trás da Cura - O Milagre
27/02/2013

Há que se entender que tudo tem sua origem no espírito. Embora a matéria se origina da energia, a energia deriva do espírito que tem como conseqüência a matéria. A vida toda é espiritual, o aspecto material é somente uma experiência temporária e o espírito é eterno.

As doenças físicas em sua maioria nascem na mente desequilibrada, pois esta é a fonte da energia. Compreender que não somos um corpo e sim um espírito nos capacita a corrigir a mente equivocada e com isso desaparecer as doenças, isso é o milagre. Quando se cura a mente destorcida, essa gera uma energia equilibrada e com isso desaparece a doença.

A mágoa, o ressentimento, o ódio, rancor, geram uma energia naquele que a produz, que desequilibra todo o sistema imunológico criando doenças. Milagre é corrigir este sistema de pensamentos e isso se faz com amor levando o perdão ao ofensor. Por isso, Milagre é uma expressão do amor. É a definição de "Amar ao próximo como a ti mesmo". Como é um ato de amor ele é de direito do filho de Deus. O filho honra ao Pai na realização do milagre, por que exerce seu legítimo direito. É sua herança. O milagre é para o filho assim como o filho é para o Pai. Todos podemos e devemos realizar milagres em nós mesmos e nos outros.

Deus como Pai-Mãe é amor, então, no milagre o filho representa o pai e se une em amor com seu semelhante. No Milagre nunca se cansa, ao contrário, aumenta a força de quem dá e supre a de quem recebe. O milagre não é outra coisa do que um ato de amor, em que por ele pode-se curar outra pessoa.

O perdão é o instrumento, com o qual os milagres resolvem questões em que poderiam demorar anos em segundo, substituindo dor por alegria. O milagre cura instantaneamente, interceptando o mal, corrigindo o erro que gerou a doença e tudo isso está na correção da mente equivocada, vingativa, com o poder do perdão.

O milagre, como já dissemos, é um direito do filho, trazido pelo Cristo aos homens. Ele mesmo se utilizou deste direito (amor incondicional) e com ele curou doentes, fez andar paralíticos e coxos, deu a visão ao cego e ressuscitou mortos.

Não devemos nos desesperar quando um caso de doença nos surpreende. Toda doença é uma expiação, que não é outra coisa do que a correção de um sistema. Assim como a febre não é a doença (ataque) e sim cura (defesa) a expiação não é um castigo, antes uma correção. Ou corrigimos este sistema com o amor, perdoando a nosso agressor e a nós mesmos ou sofreremos no processo doentio a cura através da expiação.

Quando passamos por um processo muitas vezes dolorido, estamos vivendo uma expiação. Expiar é igual a desfazer, por tanto milagre é uma correção, apenas lembra a mente que aquilo não existe. Funciona como uma troca e como tal depende de cooperação. Necessita-se de um filho que temporariamente tem mais amor e um filho que momentaneamente necessita dele. Ambos devem estar dispostos ao ato de dar e receber. Aquele que dá não fica sem, recebe mais. Aquele que recebe, recebe igual. Dar e receber é o mesmo ato.

Aquele que dá, tem que estar puro; aquele que recebe tem que ter fé. A fé é o instrumento que opera o milagre. É como um gatilho que dispara uma arma, permitindo que o amor chegue até o sistema ilusório que gerou a doença e desfaça criando assim o milagre que é a cura.

Aquele que dá recebe do Pai a Fonte de toda vida. O milagre se dá pelo amor do filho que se fez igual ao Pai.

Não há necessidade de ritualística, o amor é o maior ritual do universo. Não pode haver dúvidas nem medo. O medo é a ausência do amor e a dúvida é a falta de fé. O milagre é um Deus, é o doador da vida, por tanto a fonte do milagre. Quando alguém produz milagres, expressa o amor em conformidade com Deus.

A verdade é tudo o que Deus é e não existe nada além dela. Por isso o amor é verdadeiro e só na verdade se dá o milagre. A verdade não está no corpo e sim no espírito. Ele é o altar da verdade.
é em conformidade com ela que o filho exerce a função de curar. A cura é realizada de filho para filho no amor de Deus, onde dando se recebe. Só na verdade somos livres e todos devemos ser livres, portanto a verdade é de obrigação do indivíduo, não o livre arbítrio.

O livre arbítrio, só serve para escolher quando queres a verdade, depois da escolha não se pode mais interpretá-la, nem especulá-la, somente vive-la. A interpretação cria erros e este te afasta da verdade. A interpretação é dar opinião e não se pode opinar sobre aquilo que é.

Conheça a verdade e ela te fará livre.

Enio Chiappetti

Data
Artigos
As páginas deste site são acompanhadas com músicas que elevam a consciência.